Os 4,2 quilômetros de extensão da Avenida Padre Bruno Secchi (antiga Rua Yamada), no bairro do Bengui, em Belém, estão em fase final de duplicação, desde a Avenida Centenário até a Rodovia Tapanã. O alargamento da via é um dos principais objetivos das obras de requalificação executadas pelo Governo do Pará, por meio do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), que visa melhorar a mobilidade urbana na capital paraense.
 
A duplicação ocorre após a instalação da nova rede de drenagem ao longo da Avenida Padre Bruno Secchi, que deve contribuir para a redução dos constantes alagamentos na área. “Quando chovia, a rua ficava cheia de poças d’água. Era ruim de andar porque tinha o risco de cair. A gente não vê mais esse problema”, garante a dona de casa Lourdes Fonseca, 59 anos, moradora da área.
 
 
Quase 75% das obras previstas já estão executadas, e a expectativa é de serem concluídas até o final deste ano. “A obra, quando concluída, vai proporcionar nova urbanização para o bairro (Bengui) com nova iluminação e paisagismo, além da própria requalificação viária”, informa o engenheiro Eduardo Ribeiro, diretor-geral do NGTM (Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano).
 
Além da substituição da rede de drenagem e duplicação, a avenida terá nova pavimentação, calçada com acessibilidade em ambos os sentidos e ciclofaixa, que beneficiarão aproximadamente 500 mil pessoas na Grande Belém. “Antes, a rua era estreita, o engarrafamento era grande porque aqui passa muito carro e ônibus. Mesmo que ainda não esteja totalmente concluída, já melhorou bastante nesse sentido. A gente sabe que tem todo o processo, mas a gente espera que fique muito bonito mesmo”, diz a comerciante Priscila Monteiro, 33 anos, outra moradora do local.
 
 
Retomada 
 
Os avanços das etapas do projeto ocorreram com a atual gestão estadual que, ao assumir em 2019, encontrou apenas 20% da obra executados, desde 2013. Foi necessário o trabalho em conjunto das equipes que atuam diretamente nas frentes de serviços com a população do bairro, já que a obra envolvia a desapropriação de vários imóveis, alguns parciais e outros totais, que estavam na faixa de domínio do projeto.
 
Atualmente, as equipes estão espalhadas em diversas frentes de serviços, como terraplenagem, pavimentação asfáltica, construção de calçadas e remanejamento de postes. O objetivo final é a requalificação da via dentro do mesmo conceito da obra executada na Rodovia Tapanã, entregue pelo governo à população há um ano. “Sem dúvida, é uma mudança bastante significativa na urbanização do bairro, pois se trata de uma via que traz grandes benefícios de mobilidade para a capital, repercutindo para toda a Região Metropolitana”, reforça Eduardo Ribeiro.

Veja Também